Training of Professionals from the Family Health Strategy for Psychosocial Care for the Elderly

  • Verônica Lourdes Lima Batista Maia
  • Eliana Campelo Lago
  • Carmen Viana Ramos
  • Márcia Astrês Fernandes
  • Eucário Leite Monteiro Alves

Abstract

Background: Mental disorders of the elderly constitute a public health problem due to their high prevalence, shortage of specialized services offered in Brazil, difficulties of access by the population and deficiency in the training of professionals of the Family Health Strategy for the identification, receptiveness and psychosocial assistance to the elderly.


Objectives: To analyze the training of professionals of the Family Health Strategy on psychosocial care for the elderly in the context of the Psychosocial Care Network – RAPS (Rede de Atenção Psicossocial), and to discuss how professional training influences the care provided to the elderly.


Methodology: Descriptive, qualitative study carried out with 31 professionals, 13 physicians and 18 nurses, who work at the Family Health Strategy of the city of Picos, Piauí, Brazil. The data were collected in January 2016, through a semi-structured interview guide, processed by the IRAMUTEQ software and analyzed by means of the Descending Hierarchical Classification.


Results: The results were presented in three segments, namely: 1. The practice of professionals from the Family Health Strategy in psychosocial care in the family context; 2. Training of specialized professionals, in the attention to the elderly, in the Family Health Strategy; 3. The Psychosocial Attention Network in the care of elderly users of alcohol and other drugs;


Conclusion: Health professionals have difficulties in dealing with the elderly with mental disorders in basic care. In order to facilitate access to specialized health services and to develop actions for social reintegration, prevention and harm reduction, it is necessary to implement a policy of ongoing training and education for health professionals to improve care for the elderly.


Keywords: Aging; Mental Health; Mental disorders; Family Health Strategy.

References

1. Ramos LR. Saúde Pública e envelhecimento: o paradigma da capacidade funcional. BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.). 2009;2:40-1.  
2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa. 1ª. Ed. Normas e Manuais Técnicos. Cadernos de Atenção Básica, n. 19, 2007.
3. Tavares SMGA Saúde Mental do idoso brasileiro e a sua autonomia. BIS, Bol. Inst. Saúde (Impr.). 2009;2:87-9.
4. Rocha JP, Klein OJ, Pasqualotti A. Qualidade de vida, depressão e cognição a partir da educação gerontológica mediada por uma rádio-poste em instituições de longa permanência para idosos. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2014;17:115-28.
5. Viana MC, Teixeira MG, Beraldi F, Bassani IDS, Andrade LH. São Paulo Megacity Mental Health Survey - a population-based epidemiological study of psychiatric morbidity in the São Paulo metropolitan area: aims, design and field implementation. Rev. Bras. Psiquiatr. 2009; 31:375-86.
6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação de Saúde Mental. Cadernos de Atenção Básica 34 – Saúde Mental, 2013.
7. Motta LB, Aguiar AC, Caldas, CP. Estratégia Saúde da Família e a atenção ao idoso: experiências em três municípios brasileiros. Cad. Saúde Pública. 2011; 27:779-86.
8. Campos MAF, Forster AC. Percepção e avaliação dos alunos do curso de medicina de uma escola médica pública sobre a importância do estágio em saúde da família na sua formação. Rev. bras. educ. med. 2008; 32:83-9.
9. Camargo BV, Justo AM. Tutorial para uso do software de análise textual IRAMUTEQ. Laboratório de Psicologia Social da Comunicação e Cognição- LACCOS. Universidade Federal de Santa Catarina, 2016.
10. Brischke CCB, Loro MM, Rosanelli CDLP, Cosentino SF, Gentile CS, Kolankiewicz ACB. Convivendo com a pessoa com esquizofrenia: perspectiva de familiares. Revista Ciência Cuid. Saúde. 2012;4:657-64.
11. Maués CR, Paschoal SMP, Jaluul O, França CC, Jacob Filho W. Avaliação da qualidade de vida: comparação entre idosos jovens e muito idosos. Rev Soc Bras Clín Méd. 2010;8:405-10.
12. Santin G, Klafke TE. A família e o cuidado em saúde mental. Saúde Debate. 201;38:494-505.
13. Maciel SC, Barros DR, Silva AO, Camino L. Reforma Psiquiátrica e Inclusão Social: um Estudo com Familiares de Doentes Mentais. Psicologia Ciência e Profissão. 2009;29:436-47.
14. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica: envelhecimento e saúde da pessoa idosa. 2006.
15. Silva IT, Junior EPP, Vilela ABA. Auto percepção de saúde de idosos que vivem em estado de corresidência. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2014;17:275-87.
16. Motta LB, Caldas CP, Assis M. A formação de profissionais para a atenção integral à saúde do idoso: a experiência interdisciplinar. Ciênc saúde coletiva. 2008;13:1143-51.
17. Binotto AL, Santos LL, Lourosa QL, Sant’Anna SC, Zanetti ACG, Marques JMA. Interface saúde da família & saúde mental: uma estratégia para o cuidado. Rev bras med fam. comunidade. 2012;7:83-9.
18. Shimizu HE, Carvalho Junior D. A. O processo de trabalho na Estratégia Saúde da Família e suas repercussões no processo saúde-doença. Ciênc. saúde coletiva. 2012;17:2405-14.
19. Tavares ALB, Souza AR, Pontes RJS. Demanda de saúde mental em CSF. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2013;8:35-42.
20. Onocko-Campos R, Campos GWS, Ferrer AL, Corrêa CRS, Madureira PR, Gama CAP. et al. Avaliação de estratégias inovadoras na organização da Atenção Primária à Saúde. Rev. Saude Publica. 2012;46:43-50.
21. Bessa JB, Waidman MAP. Família da pessoa com transtorno mental e suas necessidades na assistência psiquiátrica. Texto contexto-enferm. 2013;22:61-70.
22. Schimidt TCG, Silva MJP. Percepção e compreensão de profissionais e graduandos de saúde sobre o idoso e o envelhecimento humano. Rev. esc. enferm. USP. 2012;46:612-17.
23. Noronha MGRCS, Cardoso PS, Moraes TNP, Centa ML. Resiliência: nova perspectiva na promoção da saúde da família? Ciênc. saúde coletiva. 2009;14:497-506.
24. Batista KBC, Gonçalves OSJ. Formação dos Profissionais de Saúde para o SUS: significado e cuidado. Saúde Soc. 2011; 20:884-899.
25. Duarte MLC, Oliveira AI. Compreensão dos coordenadores de serviços de saúde sobre Educação Permanente. Cogitare Enfermagem. 2012;17:506-12.
26. Carotta F, Kawamura D, Salazar J. Estratégia de gestão para pensar, refletir e construir práticas educativas e processos de trabalhos. Saúde e Sociedade. 2009;18:48-51.
27. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 278, DE 27 de fevereiro de 2014. Institui diretrizes para implementação da Política de Educação Permanente em Saúde, no âmbito do Ministério da Saúde. 2014.
28. Wang PS, Aguilar-Gaxiola S, Alonso J, Angermeyer MC, Borges G, Bromet EJ et al. Use of mental health services for anxiety, mood, and substance disorders in 17 countries in the WHO world mental health surveys. Lancet. 2007; 370: 841-50.
29. Correia VR, Barros S, Colvero LA. Saúde mental na atenção básica: prática da equipe de saúde da família. Rev. Esc. Enferm USP. 2011;45:1501-6.
30. Salles MM, Barros S. Transformações na atenção em saúde mental e na vida cotidiana de usuários: do hospital psiquiátrico ao Centro de Atenção Psicossocial. Saúde em Debate. 2013;37:324-35.
31. Rodrigues LBB, Silva PCDS, Peruhype RC, Palha PF, Popolin MP, Crispim JDA et al. A atenção primária à saúde na coordenação das redes de atenção: uma revisão integrativa. Ciênc saúde coletiva. 2014;19:343-52.
32. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.528, de 19 de outubro de 2006. Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. 2006.
33. Hirdes A, Scarparo HBK. O labirinto e o minotauro: saúde mental na Atenção Primária à Saúde. Ciênc saúde coletiva. 2015;20:383-93.
34. Heidemann ITSB, Wosny AM, Boehs A. E. Promoção da Saúde na Atenção Básica: estudo baseado no método de Paulo Freire. Ciênc saúde coletiva. 2014;19:3553-59.
35. Brasil. Ministério da Educação. Resolução Nº 3, de 20 de Junho de 2014 Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. 2014.
36. Brasil. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES Nº 3, de 7 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem. 2001.
Published
2017-01-25
How to Cite
LIMA BATISTA MAIA, Verônica Lourdes et al. Training of Professionals from the Family Health Strategy for Psychosocial Care for the Elderly. International Archives of Medicine, [S.l.], v. 10, jan. 2017. ISSN 1755-7682. Available at: <http://imedicalsociety.org/ojs/index.php/iam/article/view/2265>. Date accessed: 17 nov. 2017. doi: https://doi.org/10.3823/2277.
Section
Psychiatry & Mental Health

Most read articles by the same author(s)