User embracement in practices care in psychosocial care centers the perspective of local managers

  • Andreza Kelly Cardoso da Silva Soares
  • José Maria Ximenes Guimarães
  • Aretha Feitosa de Araújo
  • Cleide Carneiro
  • Ana Patrícia Pereira Morais
  • Claudine Carneiro Aguiar
  • Leonardo Saboia Paz
  • Marcélid Berto da Costa
  • Maria do Socorro Sousa
  • Maria Elidiana de Araújo Gomes
  • Fernando Luiz Affonso Fonseca
  • Erasmo Miessa Ruiz
  • Maryldes Lucena Bezerra de Oliveira

Abstract

Introduction: Psychosocial care centres (CAPS), strategic IN articulation of psychosocial care network and health system gateway, propose to the reorganization of health practices, by adopting a new ethic of care, based on respect to the singularity of the subjects and in the reception to the health needs of the users. Reception is a device for transforming practices and humanizing health care. 


Objective: To analyse the operation of the host users of CAPS from the perspective of local coordinators in Fortaleza, Ceará, Brazil. 


Method: Qualitative research with case study design, performed with CAPS coordinators of the city of Fortaleza, Ceará, Brazil. Data were collected through semi-structured interviews and observation, being submitted to the analysis of thematic content. 


Results: The host constituted innovative device in mental health practices, as triggered the construction of new ways of dealing with the subject in psychological distress, by incorporating technologies such as qualified listening, building autonomy, with attention focused on the user. Provided a reorientation of work and service processes, requesting the articulation for network care. In addition, it was configured as a strategy for humanization in the CAPS. Was presented, however, operational difficulties related to the environment and to the effectiveness of the network of attention. 


Final considerations: The host device configured for reorienting health practices, enhancing the consolidation of psychosocial care model, with humanization and increased solvability. However, challenges remain to be overcome, related to the environment and to the effectiveness of the network of care.

References

1. Brasil. Ministério da Saúde. Decreto 7.508, de 28 de junho de 2011: regulamentação da Lei nº 8.080. 1a. ed., 2a. reimpr. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.
2. Campos RTO, Furtado JP, Passos E, Ferrer Al, Miranda L, Gama CAP. Avaliação da rede de centros de atenção psicossocial: entre a saúde coletiva e a saúde mental. Rev Saúde Pública. 2009; 43 (supl. 1):16-22. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000800004 
3. Silva MT, Lancman S, Alonso CMC. Consequências da intangibilidade na gestão dos novos serviços de saúde mental. Rev Saúde Pública 2009; 43 (supl. 1): 36-42. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102009000800007 
4. Sampaio JJC, Guimarães JMX, Abreu LM. Supervisão clínico-institucional e a organização da atenção psicossocial no Ceará. São Paulo: Hucitec; 2010.
5. Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. São Paulo: Hucitec; 2007.
6. Ayres JRCM. Cuidado: trabalho e interação nas práticas de saúde. Rio de Janeiro: CEPESC: UERJ/IMS; ABRASCO; 2009.
7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Acolhimento nas práticas de saúde. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.
8. Santos AM, Assis MMA, Rodrigues AAA, Nascimento MAA, Jorge MSB. Linhas de tensões no processo de acolhimento das equipes de saúde bucal do Programa Saúde da Família: o caso de Alagoinhas, Bahia, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2007; 23(1): 75-85. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2007000100009 
9. Silva Junior AG, Mascarenhas MTM. Avaliação da atenção básica em saúde sob a ótica da integralidade: aspectos conceituais e metodológicos. In: Pinheiro R, Mattos RA, organizadores. Cuidado: as fronteiras da integralidade. 3a. ed. Rio de Janeiro: CEPESC/UERJ; 2006. p. 241-57.
10. Pinheiro R, Mattos RA. Implicações da integralidade na gestão da saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA, organizadores. Gestão em redes: práticas de avaliação, formação e participação na saúde. Rio de Janeiro: CEPESC/UERJ; 2006. p. 11-26.
11. Yin RK. Estudo de caso: planejamento e métodos. Tradução de Daniel Grasse. 4a. ed. Porto Alegre: Bookman; 2010.
12. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14a. ed. São Paulo: Hucitec; 2014.
13. Bosi MLM, Carvalho LB, Sobreira MAA, Ximenes VM, Liberato MTC, Godoy MGC. Inovação em saúde mental: subsídios à construção de práticas inovadoras e modelos avaliativos multidimensionais. Physis. 2011; 21(4): 1231-1252. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312011000400004 
14. Bosi MLM, Carvalho LB, Ximenes VM, Melo AKS, Godoy MGC.  Inovação em saúde mental sob a ótica de usuários de um movimento comunitário no nordeste do Brasil. Cienc Saude Coletiva. 2012; 17(3): 643-651. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000300010 
15. Minóia NP, Minozzo F. Acolhimento em Saúde Mental: operando mudanças na atenção primária à saúde. Psicologia: ciência e profissão. 2015; 35(4): 1340-1349. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703001782013
16. Scheibel A, Ferreira LH. Acolhimento no CAPS: reflexões acerca da assistência em saúde mental. Revista Baiana de Saúde Pública. 2011; 35(4): 966-983.
17. Jorge MSB, Pinto DM, Quinderé PHD, Pinto AGA, Sousa FSP, Cavalcante CM. Promoção da Saúde Mental – Tecnologias do Cuidado: vínculo, acolhimento, corresponsabilização e autonomia. Cienc Saude Coletiva. 2011; 16(7): 3051-3060. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000800005 
18. Maynart WHC, Albuquerque MCS, Brêda MZ, Jorge JS. A escuta qualificada e o acolhimento na atenção psicossocial. Acta Paul Enferm. 2014; 27(4):300-4. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-0194201400051
19. Mitre SM, Andrade EIG, Cotta RMM. Avanços e desafios do acolhimento na operacionalização e qualificação do Sistema Único de Saúde na Atenção Primária: um resgate da produção bibliográfica do Brasil. Cienc Saude Coletiva. 2012; 17(8): 2071-2085. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000800018 
20. Lima LL, Moreira TMM, Jorge MSB. Produção do cuidado a pessoas com hipertensão arterial: acolhimento, vínculo e corresponsabilização. Rev. bras. enferm. 2013; 66(4): 514-522. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672013000400008 
21. Tesser RCD, Poli Neto P, Campos GWS. Acolhimento e (des)medicalização social: um desafio para as equipes de saúde da família. Cienc Saude Coletiva. 2010; 15(Supl. 3): 3615-3624.
22. Sampaio JJC, Guimarães JMX, Carneiro C, Garcia Filho, C. O trabalho em serviços de saúde mental no contexto da reforma psiquiátrica: um desafio técnico, político e ético. Cienc Saude Coletiva. 2011; 16(12):4685-4694. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011001300017 
23. Franco TB, Bueno WS, Merhy EE. O acolhimento e os processos de trabalho em saúde: o caso de Betim, Minas Gerais, Brasil. Cad. Saúde Pública. 1999; 15 (2): 345-353. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1999000200019
24. Ballarin MLGS, Ferigato SH, Carvalho FB, Miranda IMS. Percepção de profissionais de um CAPS sobre as práticas de acolhimento no serviço. Mundo da Saúde. 2011;35(2):162-168.
25. Sousa FSP, Jorge MSB, Vasconcelos MGF, Barros MMM, Quinderé PHD, Gondim LGF. Tecendo a rede assistencial em saúde mental com a ferramenta matricial. Physis. 2011; 21(4): 1579-1599.   DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312011000400021 
26. Paes LG, Schimith MD, Barbosa TM, Righi LB. Rede de atenção em saúde mental na perspectiva dos coordenadores de serviços de saúde. Trab. educ. saúde.  2013; 11(2):395-409. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1981-77462013000200008 
27. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde - Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Ambiência. 2a. ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.
28. Nora CRD, Jungues JR. Política de humanização na atenção básica: revisão sistemática. Rev Saúde Pública. 2013;47(6):1186-1200. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2013047004581
29. Guimarães JMX, Jorge MSB, Assis MMA. (In) satisfação com o trabalho em saúde mental: um estudo em centros de atenção psicossocial. Cienc Saude Coletiva. 2011; 16 (4): 2145-2154. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000400014 
30. Kantorski LP, Coimbra VCC, Silva ENF, Guedes AC, Cortes JM, Santos F. Avaliação qualitativa de ambiência num Centro de Atenção Psicossocial. Cienc Saude Coletiva. 2011; 16(4), 2059-2066. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232011000400005 
Published
2017-03-24
How to Cite
CARDOSO DA SILVA SOARES, Andreza Kelly et al. User embracement in practices care in psychosocial care centers the perspective of local managers. International Archives of Medicine, [S.l.], v. 10, mar. 2017. ISSN 1755-7682. Available at: <http://imedicalsociety.org/ojs/index.php/iam/article/view/2282>. Date accessed: 18 sep. 2019. doi: https://doi.org/10.3823/2363.
Section
Public Health and Health Management

Most read articles by the same author(s)