Music as a Therapeutic Assistant: Strategy to Reduce Work Stress

  • Dereck Sena de Lima
  • Jamilton Alves Farias
  • Aurilene Josefa Cartaxo Gomes de Arruda
  • Cesar Cavalcanti da Silva
  • Maurício Caxias de Souza
  • João Euclides Fernandes Braga
  • Leila de Cássia Tavares da Fonseca
  • Alany Bezerra da Rocha Alves
  • Lúcia Raiza Feitosa Alves de Oliveira
  • Irany Carvalho da Silva
  • Milca Correia Marinho de Araújo
  • Thássia Christina Azevedo da Silva
  • Laysa Karen Soares de Lima
  • Sely Costa de Santana
  • Ronny Anderson de Oliveira Cruz

Abstract

Objective: to understand the influence of music as a therapeutic assistant in reducing work stress of nursing professionals in a basic health unit.


Method: it is an exploratory and descriptive research with a quantitative approach, developed with 9 nursing professionals from UBS Integrated Nova Esperança in João Pessoa, Paraíba. Data collection began after approval of the Research Ethics Committee of the Health Sciences Center of the Federal University of Paraíba, nº. 0508/16, CAAE: 58741916.6.0000.5188.


Results: we identified that 33.3% of nursing professionals presented signs of stress, of the 33.3% who presented stress, 100% demonstrated to be in the resistance phase, 100% of the nursing professionals evaluated the musical strategy in a positive way.


Conclusion: the musical strategy received extremely positive evaluations by the participants of the research, about 100% of professionals said that listening to music can reduce work stress.

References

1. Sarturi F. Nível de stress do enfermeiro hospitalar frente a suas competências [dissertação]. 2009. Santa Maria, RS: Universidade Federal de Santa Maria.
2. Stacciarini JM, Troccolo BT. O estresse na atividade ocupacional do enfermeiro. Rev Latino-am Enfermagem. 2001; 9(2): 17-25.
3. Silva MG. Percepção de estresse de servidores na atenção básica de saúde de Dourados-MS Saúde em Redes. 2015; 1(4): 35-52.
4. Selye H. The stress of life. 2. ed. 1975. Nova York. McGraw Hill.
5. Lipp M, Guevara AJH. Validação Empírica do Inventário de Sintomas de Stress (ISS). Estudos Psicologia. 1994; 11(3):43-9.
6. Meneghini F, Paz AA, Lautert L. Fatores ocupacionais associados aos componentes da Síndrome de Burnout em trabalhadores de enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2011; 20(2): 225-33.
7. Ferreira RG. Estresse do profissional de enfermagem no serviço noturno: uma questão de saúde. Revista Saúde e desenvolvimento. 2015; 7(4).
8. Medeiros PA, Silva LC, Amarante IM, Cardoso VG, Mensch KM, Naman M, Schimith MD. Condições de saúde entre Profissionais da Atenção Básica em Saúde do Município de Santa Maria – RS. Revista Brasileira de Ciências da Saúde. 2016; 20(2):115-122.
9. Moreno FN, Gil GP, Haddad MCL, Vannuchi MTO. stratégias e intervenções no enfrentamento da Síndrome de Burnout. Rev enferm UERJ. [internet] 2011 [acesso em 2016 ago 14];19(1):140-5. Available from: ttp:www.facenf.uerj.br/v19n1/v19n1a23.pdf
10. Kozasa EH. Medicina complementar e alternativa (MCA). Saúde Coletiva. 2009;6(28):38.
11. Bergold LB, Alvim NAT. A música terapêutica como uma tecnologia aplicada ao cuidado e ao ensino de enfermagem. Esc Anna Nery Rev Enferm. 2009;13(3):537-42
12. Silva MN. A música para indução de relaxamento na Terapia de Integração Pessoal pela Abordagem Direta do Inconsciente – ADI/TIP Contextos Clínicos.2012;5(2):88-99.
13. Almeida AP, Silva MJP. Utilização do canto gregoriano na saúde: uma revisão bibliográfica narrativa. Cogitare Enferm. [Internet]. 2012[Acesso em 2012 Jul 12]; 17(4):556-61. Available from: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/view/29297/19050
14. Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução n° 466, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012. pesquisas e testes envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União 13 jun 2012; Seção 1.
15. LIPP, M. E. N. manual do Inventário dos Sintomas de Stress para Adultos de Lipp (ISSL). São Paulo: Casa do Psicólogo, 2005.
16. Santos LFB, David HMSL. Percepções do estresse no trabalho pelos agentes comunitários de saúde. Revista de enfermagem UERJ.2011;19(1):52-7.
17. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF). Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 2011.
18. Negeliskii C, Lautert L. Estresse laboral e capacidade para o trabalho de enfermeiros de um grupo hospitalar. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2011;19(3):1-8.
19. Farias SMC, Teixeira OLC, Moreira W, Oliveira MAF, Pereira MO. Caracterização dos sintomas físicos de estresse na equipe de pronto atendimento. Rev Esc Enferm USP. 2011;45(3):722-9.
20. LIPP MN. Mecanismos neuropsicofisiológicos do stress: teoria e aplicações clínicas. 3ª ed. Casa do Psicólogo, São Paulo, 2010; 228.
21. Assunção RM, Castro PF. Relação entre estresse laboral e personalidade entre profissionais da area de saúde. Rev. Saúde. 2011;5(2):4-16.
22. Souza VR, Silva JLL, Lopes MR, et al. O estresse de enfermeiros atuantes no cuidado do adulto na unidade de terapia intensiva. R. pesq.: cuid. fundam. Online. 2012 [acesso em 2016 set 15]:25-28.
23. Silva RM, Beck CCL, Magnago TSBS, Carmagnani MIS, Prestes JPTF. Trabalho noturno e a repercussão na saúde dos enfermeiros. Esc. Anna Nery. [Internet]. 2011 [acesso 2016 out 16 ];15(2). Disponíve:ufrj.br/revista_enf/vol15jun2/05ARTIGO/06/v15n2a6.pdf
24. Holmes ES et al. Burnout syndrome in nurses acting in primary care: an impact on quality of life. Cuidado é Fundamental Online. 2014; 6(4):1384-1395.
25. Martins CCF, Santos VEP, Pereira MS, Santos NP. Relacionamento interpessoal da equipe de enfermagem x estresse:Limitações para a prática. Cogitare Enferm. 2014; 19(2):309-15.
26. Mendonça FMA, Jaldin MGM, Freitas IJS, Lima JVP, Dutra MB, Brito LM. Revisitando o cuidado em saúde: revisão de literatura. Rev Pesq. Saúde. 2012; 13(1): 55-59.
27. Rodriguez L, Silva EO, Neto DL, López MJM, Seva NML, Gois CFL. Uso de Práticas Integrativas e Complementares no tratamento de estresse ocupacional: uma revisão integrativa. Enfermaria Global. 2015;(39). Disponível em: www.um.es/eglobal/
28. Nogueira GC, Oliveira M. A Música Comoterapia Complementar no Cuidado De Enfermagem. CADERNO DE PUBLICAÇÕES ACADÊMICAS IFSC. 2011
29. Rodrigues MJ. Musicoterapia: elemento integrador entre o corpo e a mente. Fisioter mov. 1990;3(1):33-6.
30. Yehuda N. Music and stress. Journal of Adult Development. 2011;18(2):85-94.
31. Bernatzy C, Prech M, Anderson M, Panksepp J. Emotional Foundations of Music as a non-pharmacological pain management tool in modern medicine. Neuroscience & Biobehavioral Reviews. 2011;35:1989-99.
32. Cervellin G, Leppi G. From music -beat to heart-beat: a journey in the complex interactions between music, brain and heart. European Journal of Internal Medicine. 2011;22(4):371-4.
33. Taets GGC, Barcellos LRM. Música no cotidiano de cuidar: um recurso terapêutico para enfermagem. Rev Pesqui Cuid Fundam Online [Internet]. 2011 [acesso em 2016 jul 15];2(3):1009-16.
34. Avelino DC, Silva PMC, Costa LFP, Azevedo EB, Saraiva AM, Oliveira Filha MO. Trabalho de enfermagem no centro de atenção psicossocial: estresse e estratégias de coping. Rev Enferm UFSM. 2014;(4):718-726.
35. UBAM, União Brasileira das Associações de Musicoterapia. Disponível em: Acesso em Maio de 2016.
36. WATANABE DM. O Efeito da Música na Ansiedade de Pacientes Submetidos à cineangiocoronariografia [dissertação] São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, 2011.
37. Yamasaki A, Booker A, Kapur V, Tilt A, Niess H, Lillemoe MD, et al. The impact of music on metabolism. Nutrition. 2012;28(12):1075-80.
38. Cantekin I, Tan M. The influence of music therapy on perceived stressors and anxiety levels of hemodialysis patients. Renal Failure. 2013;35(1):105-9.
39. Lin YJ, Lu KC, Chen CM, Chang CC. The effects of music as therapy on the overall well-being of elderly patients on maintenance hemodialysis. Biological Research for Nursing. 2012;14(3):277-85.
40. BONNY, H. Music and Healing. Music Ther. 1986;3:3-12.
41. Carraro TE. Tecnologia e humanização: da sua união às possibilidades de prevenção de infecções. Texto Contexto Enferm, 2012; 9( 1): 42-62.
42. Vaajoki A, Pietila AM, Kankkunen P, Vehvilainen-Julkunen K. Effects of listening to music on pain intensity an pain distress after surgery: an intervention. J Clin Nurs. 2010;27:708-17.
43. Eitner S, Sokol B, Wichmann M, Bauer J, Engels D. Clinical use of a novel audio pillow with recorded hypnotherapy instructions and music for anxiolysis during dental implant surgery: a prospective study. International J Clin Exp Hypn. 2011;59(2):180-97.
44. Vijayalakshmi K, Susmita S, Payal K. Estimation of effects of alpha music on EEG components by time and frequency domain analysis. Computer and Communication Engineering (ICCCE.) 2010:1-5.
45. Silva TDA et al. Burnout Syndrome in Community Health Agents: an Integrative Review. International Archives of Medicine, [S.l.], v. 9, dec. 2016. Available at: .
Published
2017-02-10
How to Cite
LIMA, Dereck Sena de et al. Music as a Therapeutic Assistant: Strategy to Reduce Work Stress. International Archives of Medicine, [S.l.], v. 10, feb. 2017. ISSN 1755-7682. Available at: <http://imedicalsociety.org/ojs/index.php/iam/article/view/2306>. Date accessed: 23 aug. 2017. doi: https://doi.org/10.3823/2299.
Section
Global Health & Health Policy

Most read articles by the same author(s)

1 2 > >>