Incarcerated Health: Profile Of The Multidisciplinary Team Provider Of Health Assistance In Prisons

  • Aurilene Josefa Cartaxo Gomes de Arruda
  • Cesar Cavalcanti da Silva
  • Maurício Caxias de Souza
  • Leila de Cássia Tavares da Fonseca
  • Sely Costa de Santana

Abstract

Objective: draw a profile of the multidisciplinary team provider of health assistence in prisions.


Method: an exploratory and descriptive study developed at the Instituto Libertador Penitentiary Sílvio Porto, a medium security establishment, located in the municipality of João Pessoa-PB.


Results: the health care of prisoners has not been developed in order to comply with the legislation established in the National Health Plan of the Penitentiary System (PNSSP), since it does not meet its numerical prerequisite.


Conclusion: it is urgent to propose and implement differentiated forms of work organization that have an impact on the process and on the quality of care provided to individuals with deprivation of liberty.


Keywords: Health; Prisons; Patient Care Team

References

1. Brasil. Ministério da Saúde. Lei nº 8.080 de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Available from: .

2. Nogueira PA, Abrahão RMCMO. A infecção tuberculosa e o tempo de prisão da população carcerária dos Distritos Policiais da Zona Oeste da cidade de São Paulo. Rev. Bras. Epidemiologia; 2009. 12(1): 30-38.

3. Ordem dos Advogados do Rio de Janeiro. In: Ministério da Justiça. Brasil chega a marca de 660 mil presos. [internet]. 2016 [cited 2016 Jan 07]. Available from: http://www.oabrj.org.br/noticia/91907-brasil-chega-marca-dos-600-mil-presos-aponta-ministerio-da-jutiça.

4. Canazaro D, Argimon I IL. Caracteristics, depressive Sympstones, and associated factors in incarcerated Women in the state of Rio Grande do Sul, Brazil. Cad de Saúde Pública [internet]. 2010 [cited 2012 Aug 24]; 26(7): 29-41. Available from: .

5. Ministério da Justiça [internet]. Brasil: Departamento Penitenciário Nacional. 2013 [cited 2013 Apr 22]. Available from: .

6. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Região Nordeste Paraíba. [internet]. 2014. São Paulo: 2014. [cited 2014 Nov 12]. Available from: .

7. Ministério da Justiça. Departamento Penitenciário Nacional: Sistema Integrado de Informações Penitenciárias [internet]. Brasília: 2010. [cited 2012 Mar 21]. Available from: .

8. Ferreira MCF (2008). Necessidades Humanas, Direito à Saúde e Sistema Penal. Brasília (DF): Universidade de Brasília.

9. Ferreira SS. Plano Operativo Estadual de Saúde do Sistema Penitenciário. Governo do Estado da Paraíba. 2011b. Available from: .

10. Brasil (2008a). Ministério da Saúde. Plano Nacional de Saúde do Sistema Penitenciário. Revised. Available from: .

11. Diuana V, Lhuilier D, Sánchez AR, Amado G, Araújo L, Duarte AM et al. Saúde em prisões: representações e práticas dos agentes de segurança penitenciaria. Cad. de Saúde Pública, 2008. Rio de Janeiro, Brasil, v.24, n. 8, p.1887-1896. Available from: .

12. Brasil (2011b). Ministério da Justiça. Conselho Nacional de Justiça. Relatório do II Mutirão Carcerário do Estado da Paraíba. Departamento de Monitoramento e Fiscalização, mutirão carcerário. Available from: .

13. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em Saúde. 2010, 12. ed. São Paulo: Hucitec.

14. Peduzzi M, Shraiber LB. Processo de Trabalho em Saúde. Dicionário da educação profissional em saúde FioCruz. 2009. Available from: .

15. Faria H, Werneck M, Santos MA. Processo de trabalho em saúde. 2009; 2a ed. Belo Horizonte: Nescon/ UFMG. Coopmed.

16. Merhy EE, Franco TB. Reestruturação Produtiva e Transição Tecnológica na Saúde. 2003. Available from: .

17. Brasil (2011). Ministério da Saúde. Portaria nº 2.488 de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília. Available from: .

18. Pires D. Reestruturação produtiva e consequência para o trabalho em saúde. Rev.Bras. Enfermagem, 2003; v.53, p.251-63.

19. Merhy EE. Um dos desafios para os gestores do SUS: apostar em novos modos de fabricar os modelos de atenção. 2007. In: Merhy EE. O trabalho em saúde: olhando e experienciando o SUS no cotidiano. 4.ed. São Paulo: Hucitec.

20. Mendes-Gonçalves RB. Práticas de saúde: processos de trabalho e necessidades. 1992. Centro de Formação de Trabalhadores em Saúde, Secretaria Municipal de Saúde, São Paulo: Cadernos CEFOR 1.

21. Marchezi T, Menandro PRM. Atestado de Exclusão com Firma reconhecida: o sofrimento do Presidiário Brasileiro. Psicologia Ciência e Profissão, 2004; v. 24, n. 2, p. 86-99.
Published
2017-02-11
How to Cite
CARTAXO GOMES DE ARRUDA, Aurilene Josefa et al. Incarcerated Health: Profile Of The Multidisciplinary Team Provider Of Health Assistance In Prisons. International Archives of Medicine, [S.l.], v. 10, feb. 2017. ISSN 1755-7682. Available at: <http://imedicalsociety.org/ojs/index.php/iam/article/view/2310>. Date accessed: 22 july 2017. doi: https://doi.org/10.3823/2311.
Section
Global Health & Health Policy

Most read articles by the same author(s)