Performance Of Nurses In Radiotherapy Services

  • Nauã Rodrigues de Souza
  • Isabel Cristina Ramos Vieira Santos
  • Magaly Bushatsky
  • Daniela de Aquino Freire
  • Jessica Thamires da Silva Melo
  • Eudanusia Guilherme de Figueiredo
  • Marcos Antônio de Oliveira Souza
  • Carmina Silva dos Santos

Abstract

Objective: This study aimed to know the performance of nurses in radiotherapy services.


Methods and Results: It is a cross-sectional, descriptive and exploratory study with a quantitative approach, developed from June to July 2015. The study sample was composed of eight nurses. The data were collected through a structured questionnaire, analyzed through descriptive statistics. It was verified that nurses are not only restricted to care, buy they work in the supervision of the nursing team, monitor the work process, elaborate the action plan, select materials and equipment, schedule the consultations. In addition, it was possible to observe the importance of the nursing consultation for the individualization of the care and effectiveness of the treatment for the patient.


Conclusion: It is observed that for a good progress of the radiotherapy service, there is a need for a trained nursing team with conditions to deal with the complexity and requirements that this modality of treatment demands.


Keywords: Neoplasms; Radiotherapy; Nursing; Nursing Care.

References

1.Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer (INCA). Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro: INCA; 2011. Disponível em: http://portal.saude.sp.gov.br/resources/ses/perfil/gestor/homepage/estimativas-de-incidencia-de-cancer-2012/estimativas_incidencia_cancer_2012.pdf.
2.Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer (INCA). Estimativa 2016: incidência de câncer. Rio de Janeiro: INCA; 2015. Disponível em: http://www.inca.gov.br/estimativa/2016.
3.Brasil. Ações de enfermagem para o controle do câncer: uma proposta de integração ensino-serviço. / Instituto Nacional de Câncer. – 3. ed. atual. amp. – Rio de Janeiro: INCA, 2008. Disponível em: http://www.inca.gov.br/enfermagem/
4.Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional de Câncer (INCA). Comitê de padronizações. A radioterapia e você. Rio de Janeiro: INCA; 2002.
5.Leite FMC, Ferreira, FM, Cruz, MSA, Lima, EFA, Primo, CC. Diagnósticos de enfermagem relacionados aos efeitos adversos da radioterapia. Rev Min Enferm. 2013; 17(4): 940-945. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/897.
6.Araujo CRV, Rosas AMMTF. O papel da equipe de enfermagem no setor de radioterapia: uma contribuição para a equipe multidisciplinar. Rev Bras Cancerol. 2008; 54(3): 231-7. Disponível em: http://www.inca.gov.br/rbc/n_54/v03/pdf/artigo_4_pag_231a237.pdf.
7.Conselho Federal de Enfermagem (Cofen). Resolução no 211/1998. Dispõe sobre a atuação dos profissionais de enfermagem que trabalham com radiação ionizante. Rio de Janeiro: COFEN; 1998. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-2111998_4258.html.
8.Egilegor JXH, et al. Implementação do processo de enfermagem em uma área da saúde: modelos e estruturas de avaliação utilizados Rev. Latino-Americana de Enfermagem. 2014; 22(5): 772-7.
9.Brasil. Ministério da Saúde. Instituto Nacional do Câncer (INCA). Onde tratar pelo SUS: Pernambuco. Rio de Janeiro: INCA; Disponível em:http://www.inca.gov.br/wps/wcm/connect/cancer/site/tratamento/ondetratarsus/P.
10.Viana RAPP, Vargas MAO, Carmagnani MIS, Tanaka LH, Luz KR, Schmitt PH. Perfil do enfermeiro de terapia intensiva em diferentes regiões do brasil. Texto & Contexto Enferm. 2014; 23(1): 151-9. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010407072014000100151&script=sci_arttext&tlng=pt.
11.Brito AMR, Brito MJM, Gazzinelli MFC, Montenegro LC. Representações sociais de discentes de Graduação em Enfermagem sobre “ser enfermeiro”. Rev Bras Enferm. 2011; 64(3): 527-35. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672011000300017.
12.Amador DD, Gomes IP, Coutinho SED, Costa TNA, Collet N. Concepções dos enfermeiros acerca da capacitação no cuidado à criança com câncer. Texto & Contexto Enferm. 2011; 20(1): 94-101. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-07072011000100011&script=sci_abstract&tlng=pt.
13.França FM, Ferrari R, Ferrari DC, Alves ED. Burnout e os aspectos laborais na equipe de enfermagem de dois hospitais de médio porte. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2012 set/out; 20(5): [09 telas]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692012000500019.
14.Matthew D. McHugh, Eileen T. Lake. Understanding Clinical Expertise: Nurse Education, Experience, and the Hospital Context. Res Nurs Health. 2010 aug; 33(4): 276–87. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2998339/pdf/nihms239174.pdf.
15.Santos FC, Camelo SHHH, Laus AM, Andrian LL. O enfermeiro que atua em unidades hospitalares oncológicas: perfil e capacitação profissional. Enfermería Global. 2015; 38. Disponível em: http://revistas.um.es/eglobal/article/viewFile/190061/174211.
16.Conselho Federal de Enfermagem (Cofen). Lei nº 7.498/86, de 25 de junho de 1986. Dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem e dá outras providências. Disponível em: http://novo.portalcofen.gov.br/lei-n-749886-de-25-de-junho-de-1986_4161.html.
17.Nascimento ACEC, Pinto ALR, Pereira CRA, Souza FEP, Vieira ZRS, Andrade GDB e Cruz RSBLC. A importância da supervisão de enfermagem nas instituições de saúde. Revista Saúde e Pesquisa. 2013; 6(2): 339-43. Disponível em: http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/saudpesq/article/view/2908
18.Carvalho E, Bollela VR. Agendamento eletrônico do paciente (AEP) como ferramenta de gestão dos ambulatórios de um serviço de referência terciária em saúde. Revista Eletrônica Gestão & Saúde. 2015; 6(2): 1446-62. Disponível em: http://gestaoesaude.unb.br/index.php/gestaoesaude/article/view/905
19.Almeida ML, Peres AM. Conhecimentos, habilidades e atitudes sobre a gestão dos formados de enfermagem de uma universidade pública brasileira. Invest Educ Enferm. 2012; 30(1). Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=638909&indexSearch=ID.
20.Andrade KBS et al.. Consulta de enfermagem: avaliação da adesão ao autocuidado dos pacientes submetidos à radioterapia. Rev enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2014 set/out; 22(5):622-8. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v22n5/v22n5a07.pdf
21.Schneider F, Pedrolo E, Lind J, Schwanke AA, Danski MTR. Prevenção e tratamento de radiodermite: uma revisão integrativa. Cogitare Enferm. 2013; 18(3): 579-86. Disponível em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/view/33575.
22.Reis PED, Carvalho EC, Bueno PCP, Bastos JK. Aplicação clínica da Chamomillarecutita em flebites: estudo de curva. Rev Latino-Am Enfermagem. 2011; 19: [08 telas]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-11692011000100002&script=sci_arttext&tlng=pt.
23.Cuppari L. Nutrição clínica no adulto. 2a ed. São Paulo: Manole; 2005.
24.Medina AM, Leal AF, Zavaglia GO, Muniz RM, Guimarães SRL, Faes ADR. A consulta de enfermagem como estratégia de cuidado ao cliente oncológico em tratamento radioterápico. Ciência, Cuidado e Saúde. 2013; 7. Disponível em: http://eduem.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/viewFile/6727/pdf.
25.Alvim ALS. O Processo de Enfermagem e suas Cinco Etapas. Enferm. Foco. 2013; 4(2): 140-141. Disponível em: http://revista.portalcofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/viewFile/531/214.
26.Silva JMC, Valente Ribeiro PPS. Estratégias de autocuidado das pessoas com doença oncológica submetidas a quimioterapia/radioterapia e a sua relação com o conforto. Revista electrónica trimestral de Enfermería. 2015; 37. Disponível em: http://revistas.um.es/eglobal/article/viewFile/206591/169991.
Published
2017-02-21
How to Cite
RODRIGUES DE SOUZA, Nauã et al. Performance Of Nurses In Radiotherapy Services. International Archives of Medicine, [S.l.], v. 10, feb. 2017. ISSN 1755-7682. Available at: <http://imedicalsociety.org/ojs/index.php/iam/article/view/2343>. Date accessed: 26 july 2017. doi: https://doi.org/10.3823/2307.
Section
Oncology