Evaluation Of Pain In Newborn In Intensive Therapy In The Vision Of Health Professionals

  • Bruna Teles dos Santos Motta
  • Aleksandra Pereira Costa
  • Maurício Caxias de Souza
  • Leila de Cássia Tavares da Fonsêca
  • Ericka Silva Holmes
  • Luciana Ferreira de Souza
  • Michelle Alves de Carvalho
  • Ijaly Patrícia Pinheiro Cabral
  • Juliana Barbosa Medeiros
  • Walnizia Kessia Batista Olegário
  • Kamilla Kafran França de Vasconcelos
  • Jeane da Silva Rocha Santos
  • Iolanda Beserra da Costa Santos
  • Josilene de Melo Buriti Vasconcelos
  • Marcos Antonio Lopes de Oliveira Sousa
  • Maria Auxiliadora Freire Siza

Abstract

Objective: Evaluate how health professionals perceive the pain in the NBs hospitalized in the Neonatal Intensive Care Unit.


Method: This is a descriptive, exploratory research with a qualitative approach, developed in the maternity hospital Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (ISEA), in the period from February to March 2016, after approval by the Research Ethics Committee (CESED), where the technique of data collection was through an interview with a prior script divided into two parts: the first part deals with socio-demographic issues, while the second part deals with issues related to pain in the NB, where they were recorded and transcribed in their entirety, using the content treatment through content analysis of the thematic type proposed by Laurence Bardin.


Results: The results show that all health professionals perceive the pain in the neonate, where three categories emerged: "relates the evaluation of pain with physiological and behavioral measurements"; "know, but do not evaluate with pain score", "do not evaluate with pain score". Regarding the use of some method for pain relief, two categories emerged: "use of non-pharmacological methods for pain relief"; "Use of simultaneous pharmacological and non-pharmacological methods".


Conclusion: All the professionals contributed to the growth of this research, being necessary more studies about the pain, mainly with regard to the use of multidimensional scales, since there is a lack of knowledge on the part of the professionals and teams that work in the NICU.

References

1. Leão ER, Aquarone RL, Rother ED. Pesquisa em Dor: análise bibliométrica de publicações científicas de uma instituição de pesquisa do brasil. Revista Dor, 2013; São Paulo, v.14, n.2, abr/jun, p. 94-99. Available from: .

2. Silva JA, Ribeiro FNP. A dor Como um Problema Psicofísico. Revista Dor, 2011. São Paulo, v.12, n.2, abr/jun, p. 138-151. Available from: .

3. Bottega FH, Fontana RT. A Dor Como Quinto Sinal Vital: utilização da escala de avaliação por enfermeiros de um hospital geral. Texto Contexto Enfermagem, 2010. Florianópolis, v.19, n.2, abr/jun, p. 283-290. Available from: .

4. Santos LM, Ribeiro IS, Santana RCB. Identificação e Tratamento da Dor no Recém-nascido Prematuro na Unidade de Terapia Intensiva. Revista Brasileira de Enfermagem, 2012. Brasília, v.65, n.2, mar/abr, p.269-275. Available from: .

5. Martins SW, Dias FS, Enumo SRF, Paula KMP. Avaliação e Controle da Dor por Enfermeiras de uma Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Revista Dor, 2013. São Paulo, v.14, n.1, jan/mar, p.21-26. Available from: .

6. Junqueira CCS, Machado SP, Ventura CMU, Albuquerque TM, Machado AN, Nunes PM, Ferreira TGS et al. Paternal Experience during the Child Hospitalization in Neonatal Intensive Care Unit. International Archives of Medicine, 2016, [S.l.], v. 9, dec. ISSN 1755-7682. Available from:

7. Falcão ACMP, Sousa ALS, Stival MM, Lima LR. Abordagem Terapêutica da Dor em Neonatos sob Cuidados Intensivos: uma breve revisão. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, 2012. Minas Gerais, v.2, n.1, jan/abr, p.108-123. Available from: .

8. Calasans MTA. A Dor do Recém-nascido no Cotidiano da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. 2006 (74) f. Dissertação (Mestrado) – Pós-Graduação em Enfermagem - Escola de Enfermagem, Universidade Federal da Bahia, Salvador. Available from: .

9. Caetano EA, Lemos NRF, Cordeiro SM, Pereira FMV, Moreira DS, Buchhorn SMM. O Recém-nascido com Dor: atuação da equipe de enfermagem. Escola Anna Nery, 2013. Rio de Janeiro, v.17, n.3, jul/set, p. 439-445. Available from: .

10. Gil AC (2011). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas.

11. Minayo MCS (2014). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. Ed. São Paulo: Hucitec.

12. Amorim MMR, Maia SB, Leite DFB, Araújo IRS, Melo FO, Alves JN, Barros ES et al. Assistência Humanizada ao Parto no Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (ISEA): resultados maternos. Revista Saúde & Ciência, 2010. Campina Grande, v.1, n.1, jan/jun, p.80-87. Available from: .

13. Bardin L (2009). Análise de conteúdo. 4. ed. Coimbra: editora 70.

14. Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução n o 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília, 2012 [citado 2014 Mar 11]. Available from: .

15. Guinsburg R. A linguagem da dor no recém-nascido. Documento Científico do Departamento de Neonatologia Sociedade Brasileira de Pediatria, 2010. São Paulo, out, p. 1-12. Available from: .

16. Crescêncio EP, Zanelato S, Leventhal LC. Avaliação e Alívio da Dor no Recém-nascido. Revista Eletrônica de Enfermagem, 2009. Goiás, v. 11, n. 1, p. 64-69. Available from: .

17. Paixão MCS, Maranhão TA, Melo BMS, Vieira TS, Monteiro CFS. A Percepção da Equipe de Enfermagem sobre a Dor do Recém-nascido. Revista Interdisciplinar NOVAFAPI, 2011. Teresina, v. 4, n. 2, Abr/Jun, p.16-20. Available from: .

18. Nascimento H. A dor no recém-nascido numa UCI: concepções e práticas de enfermagem. Dissertação (Mestrado em Ciências de Enfermagem), 2010, 141 f - Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar da Universidade do Porto. Porto. Available from: .

19. Scochi CGS, Carletti M, Nunes R, Furtado MCC, Leite AM. A Dor na Unidade Neonatal sob a Perspectiva dos Profissionais de Enfermagem de um Hospital de Ribeirão Preto-SP. Revista Brasileira de Enfermagem, 2006. Brasília, v. 59, n. 2, mar/abr, p. 188-194. Available from: .

20. Mendes LC, Dodt RCM, Almeida LS, Cardoso MVLML, Silva CBG. A Dor no Recém-nascido na Unidade de Terapia Intensiva Neonatal. Revista de Enfermagem UFPE on line, 2013. Recife, v. 7, n. 11, nov, p. 6446-54. Available from: .

21. Brasil (2011). Ministério da Saúde. Atenção à Saúde do Recém-nascido. Cuidados com o Recém-nascido Pré-termo. Brasília, v. 4. Available from: .

22. Pinheiro IO, Lima FET, Magalhães FJ, Farias LM, Sherlock MSM. Avaliação da dor do Recém-nascido Através da Escala Codificação da Atividade Facial Neonatal Durante o Exame de Gasometria Arterial. Revista Dor, 2015. São Paulo, v. 16, n. 3, jul/set, p. 176-180. Available from: .

23. Matsuda MR, Martins MR, Filho MAN, Matta ACG. Métodos Não Farmacológicos no Alívio da Dor no Recém-nascido. Brazilian Journal of Surgery and Clinical Research - BJSCR, 2014. Brazilian, v.5, n.1, p. 59-63. Available from: Acesso em: 01 set. 2015.

24. Cordeiro RA. Reflexão da Equipe de Enfermagem Sobre o Desconforto e a Dor do Recém-nascido: uma proposta de protocolo de cuidado baseado nos métodos não farmacológicos. 2012, 161 f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós Graduação em Enfermagem - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis. Available from: .

25. Linhares MBM, Doca FNP. Dor em Neonatos e Crianças: avaliação e intervenções não farmacológicas. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia, 2010. Ribeirão Preto, v. 18, n. 2, p. 307-325. Available from: .

26. Brasil (2013). Ministério da Saúde. Atenção à Saúde do Recém-Nascido. Guia para os Profissionais de Saúde. Intervenções comuns, icterícia e infecções. Brasília, v. 2, p. 1-167. Available from: .

27. Capellini VK, Daré MF, Castral TC, Christoffel MM, Leite AM, Sochi CGS. Conhecimento e Atitudes de Profissionais de Saúde Sobre Avaliação e Manejo da Dor Neonatal. Revista Eletrônica de Enfermagem, 2014. Goiás, v. 16, n. 2, abr/jun, p. 361-369. Available from: .

28. Araujo GC, Miranda JOF, Santos DV, Camargo CL, Sobrinho CLN, Rosa DOS. Dor em Recém-nascidos: identificação, avaliação e intervenções. Revista Baiana de Enfermagem, 2015. Salvador, v. 29, n. 3, jul/set, p. 261-270. Available from: .

29. Capellini VK. Exposição, avaliação e manejo da dor aguda do recém-nascido em unidades neonatais de um hospital estadual., 2012, p. 1-135. Dissertação (Mestrado) – Enfermagem em Saúde Pública - Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, 2012. Available from: .

30. Lima EC, Marcello CM, Gomes SH, Araújo MGS. A Analgesia Sistêmica Neonatal como Medida Terapêutica no Tratamento da Dor do Recém-nascido. Comunicação em Ciências da Saúde, 2011. Brasília, v. 22, n. 3, p. 221- 230. Available from: .

31. Marcatto JO, Tavares EC, Silva YP. Benefícios e Limitações da Utilização da Glicose no Tratamento da Dor em Neonatos: revisão da literatura. Revista Brasileira de Terapia Intensiva, 2011. São Paulo, v. 23, n. 2, p. 228-237. Available from: .

32. Honorato ZN, Filipini R, Alves BCA, Azzalis LA, Junqueira VBC, Fonseca FLA. Minimização da Dor na Venopunção de Neonatos: revisão sistemática da literatura. Enfermagem Revista, 2016. Minas Gerais, v. 19, n. 1, jan/jun, p. 117-130. Available from: .

33. Lélis ALPA, Farias LM, Cipriano MAB, Cardoso MVLML, Galvão MTG, Caetano JA. Cuidado Humanístico e Percepções de Enfermagem Diante da Dor do Recém-nascido. Escola Anna Nery, 2011. Rio de Janeiro, v.15, n.4, out/dez, p.694-700. Available from: .
Published
2017-02-21
How to Cite
TELES DOS SANTOS MOTTA, Bruna et al. Evaluation Of Pain In Newborn In Intensive Therapy In The Vision Of Health Professionals. International Archives of Medicine, [S.l.], v. 10, feb. 2017. ISSN 1755-7682. Available at: <http://imedicalsociety.org/ojs/index.php/iam/article/view/2347>. Date accessed: 25 sep. 2017. doi: https://doi.org/10.3823/2322.
Section
Pediatrics

Most read articles by the same author(s)