Care With The Potential Organ Donor In The Intensive Care Unit

  • Francisca Patrícia Barreto de Carvalho
  • Kênnia Stephanie Morais Oliveira
  • Glauber Weder dos Santos Silva
  • Geórgia Nóbrega Melo
  • Thiago Enggle de Araújo Alves
  • Ana Cristina Arrais
  • Ilana Deyse Rocha Leite
  • Amélia Carolina Lopes Fernandes
  • Lucidio Clebeson Oliveira
  • Francisco Rafael Ribeiro Soares

Abstract

Introduction: Organ transplants have expanded throughout the country, being extremely significant for the population.


Objective: To know the reality of organ harvesting and describe the care with the potential organ donor in an Intensive Care Unit (ICU) and compare it with the pertinent literature.


Method: It is a research of exploratory and descriptive nature, with a qualitative approach. The data were analyzed through the content analysis idealized by Bardin.


Results: The findings indicate that the resolution of care and procedures with the potential donor is essential to the success of transplants in our country.


Conclusions: Several difficulties have been encountered, as the lack of human and material resources generating impasses in the specific care of the potential organ donor and the lack of provision of continuing education.


Keywords: Organ donation; Intensive Care Unit; Nursing.

References

1. Santos MJ, Massarollo MCKB, Moraes EL. Entrevista familiar no processo de doação de órgãos e tecidos para transplante. Acta Paul Enferm, 2012; 25(5):788-94. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n5/22.pdf> Acesso em 22 de Setembro de 2015.

2. Moura LC, Silva VS. Manual do núcleo de captação de órgãos: iniciando uma Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes: CIHDOTT. Barueri, SP: Minha Editora, 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 de Novembro de 2014.

3. Corgozinho MM, Gomes JRAA, Garrafa V. Transplante de medula óssea no Brasil: Dimensão bioética. Rev latino-am bioet, 2012; 12 (1): 36-45. Disponível em: Acesso em 16 de Julho de 2016

4. Levin AK, Teixeira LKS, Cipullo R. Avaliação dos Possíveis Doadores de Órgãos e suas Recusas para não fazê-lo em Frequentadores de um Complexo Hospitalar na Cidade de São Paulo. Rev Ciências em Saúde, 2012; abr, 2 (2). Disponível em: Acesso em 14 de Maio de 2016.

5. Brasil. Presidência da Republica. Lei no 10.211, de 23 de Março de 2001. Brasília, 2001. Disponível em: Acesso em 05 de Outubro de 2015.

6. Registro Brasileiro de Transplantes - RBT. Dimensionamento dos Transplantes no Brasil e em cada estado. ABTO - Associação Brasileira de Transplante de Órgãos, jan./dez. 2013. Disponível em: Acesso em 22 de Março de 2016.

7. Pestana AL, Santos JLG, Erdmann RHE, Silva EL, Erdmann AL. Pensamento Lean e cuidado do paciente em morte encefálica no processo de doação de órgãos. Rev Esc Enferm USP, 2013; 47(1):258-64. Disponível em: Acesso em 12 de dezembro de 2015.

8. Rodrigues TB, Vasconcelos MIO, Brito MCC. Sales, D. S.; Silva, R. C. C.; Souza, A. M. A. Perfil de potenciais doadores de órgãos em hospital de referência. Rev Rene. 2013; 14(4):713-9.

9. Gil AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

10. Richardson RJ et al. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

11. Bardin L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

12. Bardin L. Análise de Conteúdo. 5. ed. Lisboa: Edições 70, 2009.
13. Rodrigues SLL et al. Perfil de doadores efetivos do serviço de procura de órgãos e tecidos. Rev Bras Ter Intensiva, 2014; 26(1):21-27.Disponível em: Acesso em 21 de outubro de 2015.

14. Freire ILS, Vasconcelos QLDAQ, Torres GV, Araújo EC, Costa IKF, Melo GSM. Estrutura, processo e resultado da doação de órgãos e tecidos para transplante. Rev Bras Enferm. 2015 set-out; 68(5): 837-45. Disponível em: Acesso em 06 de Junho de 2016.

15. Martínez FJM, Altamira CP, Medina BD, Pimienta CS. Visão dos profissionais de saúde com relação à doação de órgãos e transplantes: Revisão de literatura. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2015 Abr-Jun; 24(2): 574-83. Disponível em: Acesso em 22 de Abril de 2016.

16. Corrêa Neto Y. Morte encefálica: cinquenta anos além do coma profundo. Rev brasileira de Saúde Materno Infantil, 2010 dez; 10(2): 355-61. Disponível em: . Acesso em 18 de Janeiro de 2016.

17. Freire SG, Freire ILS, Pinto JTJM, Vasconcelos QLDAQ, Torres GDV. Alterações fisiológicas da morte encefálica em potenciais doadores. Esc Anna Nery (impr.), 2012 out- dez; 16 (4):761-6.

18. Brasil. Conselho Federal de Medicina. Resolução nº1.480, de 08 de agosto de 1997. Estabelece os critérios para caracterização de morte encefálica. Diário Oficial da Republica Federativa do Brasil, Brasília, DF, 21 ago 1997. Seção 1: 18.227- 228.

19. Brasil. Sociedade Brasileira de Clínica Médica. Programa de Atualização em Medicina de Urgência- PROURGEN. Porto Alegre: Artmed; 2007.

20. Braga JF, Leite KAO, Costa GMC. Doação de órgãos e tecidos: a dualidade vida e morte na percepção dos profissionais da saúde. Rev online TEMA, 2014 jan-dez; 15 (22). Disponível em . Acesso em 19 de janeiro de 2016.

21. Ferreira IR et al. Doação e Transplante de órgãos na concepção bioética: uma revisão integrativa. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, 2015; 13(1): 190-203. Disponível em: . Acesso em 18 de janeiro de 2016.

22. Monteiro AMC et al. Doação de órgãos: compreensão na perspectiva de adolescentes. Rev Brasileira de Saúde Materno Infantil [online], 2011; 11 (4): 389-96. Disponível em:. Acesso em: 16 de janeiro de 2016.

23. Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos – ABTO. Diretrizes Básicas para Captação e Retirada de Múltiplos Órgãos e Tecidos da Associação Brasileira de Transplantes de órgãos. 2009. Disponível em: Acesso em 10 de Outubro de 2014.

24. Lemes MMDD, Bastos MAR. Os cuidados de manutenção dos potenciais doadores de órgãos: estudo etnográfico sobre a vivência da equipe de enfermagem. Rev Latino Am Enfermagem, 2007 set-out; 15(5), 2007.

25. Freire ILS et al. Morte encefálica e cuidados na manutenção do potencial doador de órgãos e tecidos para transplante. Rev Eletr Enf [Internet]. 2012 oct-dec;14(4): 903-12. Disponível em: http://www.fen.ufg.br/revista/v14/n4/v14n4a19.htm. Acesso em 13 de Novembro de 2015.

26. Campos DS, Ferreira EBF, Aquino JM, Medeiros SEG, Silva TTM. Obstáculos enfrentados pelo enfermeiro na manutenção de potenciais doadores de órgãos. In Anais do 17º Seminário Nacional de Pesquisa em Enfermagem, Natal/RN, 2013.

27. Becker S, Silva RCC, Ferreira AGN, Rios NRF, Ávila AR. A enfermagem na manutenção das funções Fisiológicas do potencial doador. SANARE, 2014 jan-jun; 13 (1): 69-75. Disponível em: Acesso em 18 de Janeiro de 2016.

28. Mendes, K. D. S.; Roza, B. A; Barbosa, S. F. F.; Schirmer, J, Galvão CMG. Transplante de órgãos e tecidos: responsabilidades do Enfermeiro. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2012 out-dez; 21(4): 945-53. Disponível em Acesso em 28 de março de 2015.

29. Lima CSP, Batista ACO, Barbosa SFF. Percepções da equipe de enfermagem no cuidado ao paciente em morte encefálica. Rev Brasileira de Enfermagem, 2013. Disponível em: Acesso em 10 de Outubro de 2015.

30. Westphal GA et al. Diretrizes AMIB para manutenção de múltiplos órgãos no potencial doador falecido: obra conjunta. São Paulo: AMIB, 2011. Disponível em: Acesso em 2 de maio de 2014.

31. Marques FS, Barbosa MDPB, Ribeiro IM. Doação de Órgãos e tecidos para transplantes: Motivos de não autorização. Cad. Pesq, São Luís, 2013 set-dez; 20(3). Disponível em: Acesso em 12 de outubro de 2015.

32. Mattia AL et al. Análise das dificuldades no processo de doação de órgãos: uma revisão integrativa da literatura. Rev Bioethikos, México, 2010 dez; 4 (1): 66-74, dez. Disponível em: < http://www.saocamilo-sp.br/pdf/bioethikos/73/66a74.pdf>. Acesso 23 de Outubro de 2015.
Published
2017-02-21
How to Cite
BARRETO DE CARVALHO, Francisca Patrícia et al. Care With The Potential Organ Donor In The Intensive Care Unit. International Archives of Medicine, [S.l.], v. 10, feb. 2017. ISSN 1755-7682. Available at: <http://imedicalsociety.org/ojs/index.php/iam/article/view/2352>. Date accessed: 19 nov. 2017. doi: https://doi.org/10.3823/2306.
Section
Global Health & Health Policy