Primary Health Care Follow-Up Visits: Investigation Of Care Continuity Of Preterm Newborns From A Kangaroo-Mother Care Unit

  • Marielle Ribeiro Feitosa
  • Fabiane do Amaral Gubert
  • Marcela Ariadne Braga Gomes Tomé
  • Maria Talyta Mota Pinheiro
  • Clarice da Silva Neves
  • Jéssica Lima Benevides
  • Lidiane Nogueira Rebouças
  • Leonardo Alexandrino da Silva
  • Sarah Rayssa Cordeiro Sales Pinheiro
  • Êmile Costa Barros
  • Clarissa Costa Gomes
  • Mariana da Silva Diógenes
  • Amanda Rebouças Bezerra de Menezes
  • Essyo Pedro Moreira de Lima
  • Daiana Rodrigues Cruz Lima
  • Larissa Ludmila Monteiro de Souza Brito
  • Márcia Maria Coelho Oliveira Lopes
  • Regina Cláudia Melo Dodt
  • Gláucia Maria Nóbrega Rocha
  • Paulo César de Almeida

Abstract

INTRODUCTION: The kangaroo-mother care method is an approach adopted in Brazil as a public police, which has helped in the reduction of neonatal mortality rate. Premature birth and its vulnerabilities can trigger, especially in mothers, feelings of fear and insecurity related to taking care of newborns.


OBJECTIVE: Investigate care continuity of preterm newborns from a kangaroo-mother care method unit in primary health care facilities.


METHODS: It was a transversal study performed with 43 mothers of preterm newborns who were hospitalized in the rooming-in care unit of a kangaroo-mother care method unit of a Brazilian public maternity school. Data collection was carried out through a questionnaire, which was used to interview mothers between September 2015 and February 2016.


RESULTS: It was found a relationship between sociodemographic status and risk of premature birth, and the following variables: age, education, marital status, and family income. Regarding findings from the follow-up home visits in primary health care, most of the participants were still breastfeeding and using the kangaroo position. However, 60.5% of the interviewed mothers reported not receiving home visits from health professionals of primary health care facilities.


CONCLUSION: It is essential the support of health professionals and the participation of mothers and families to improve, through health education, quality of life promotion for newborns from kangaroo care approach.

References

1. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual do Método Canguru: seguimento compartilhado entre a Atenção Hospitalar e a Atenção Básica /Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Ministério da Saúde; 2015.

2- Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Uma análise da situação de saúde e das doenças transmissíveis relacionadas à pobreza. Brasília: Ministério da Saúde; 2014.

3- Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao recém‑nascido de baixo peso: Método Canguru: manual técnico / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 2. ed., – Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2013.

4. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção humanizada ao recém-nascido de baixo peso: método canguru: normas e manuais técnicos. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

5. Spear MC, Seild EMF. Percepção Materna no Método Canguru: contato pele a pele, amamentação e autoeficácia. Rev. Eletronic Library Online [Internet]. 2013 [cited 2016 Mai 10]; 18(4):647- 656. Available from

6. Silva lj, leite JL, Scochi CGS, Silva LR, Silva TP. 2015. A adesão das enfermeiras ao Método Canguru: subsídios para a gerência do cuidado de enfermagem. Revista Latino-Americana de Enfermagem; 23: 483-490.

7. UNICEF. Fundo das Nações Unidas para a Infância. Unicef-Brasil. Nossas prioridades. Iniciativa hospital amigo da criança.

8. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

9. Ribeiro CD, Sousa JCO de, Cunha KJB, Silva NC, Santos TMMG. 2014. Fatores preditores para a admissão do recém-nascido na unidade de terapia intensiva. Rev Rene. jan-fev; 15(1):3-11.

10. Oliveira MAM, et al. 2014.Gestantes tardias de baixa renda: dados sociodemográficos, gestacionais e bem-estar subjetivo. Psicologia: teoria e prática; 16(3): 69-82.

11. Predebon, KM; Mathias TAF. 2011. Desigualdades nos indicadores de saúde da mãe e do recém-nascido, no Estado do Paraná. Acta Scientiarum. Health Sciences 33(2): 139-145.

12. Rodrigues AP, et al. 2014. Pre-natal and puerperium factors that interfere on self-efficacy in breastfeeding. Escola Anna Nery, 18(2); 257-261.

13. Soares LS, Da Silva GRF, de Oliveira GMT, Brandão EC, Oriá MOB. 2016. Aplicação da escala reduzida de autoeficácia em amamentação no contexto da Estratégia Saúde da Família. Enfermagem em Foco, 5(3-4).

14. Monteiro JCS, Nakano AMS. 2011. O aleitamento materno enquanto uma prática construída: reflexões acerca da evolução histórica da amamentação e desmame precoce no Brasil. Investigación y Educación en Enfermería, 29(2), 315-321.

15. Polido CG, Mello DFD, Parada CMGL, Carvalhaes MABL, Tonete VLP. 2011. Vivências maternas associadas ao aleitamento materno exclusivo mais duradouro: um estudo etnográfico.Acta Paulista de Enfermagem, 624-630.

16. Guimarães AAS, et al. 2013. Fatores que levam ao abandono do aleitamento materno exclusivo antes dos seis meses de vida: uma revisão de literatura. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires. 18(181). Disponível em http://www.efdeportes.com/efd181/abandono-do-aleitamento-materno-exclusivo.htm. Acesso em: 19 jun. 2016.

17. Barbosa PG. 2015. Mormas, crenças e atitudes sobre amamentar entre mães de prematuros do método canguru. Tese(doutorado) –ufpe. Cfch.pos graduação em psicologia cognitiva.

18. Hinic K. 2016. Predictors of Breastfeeding Confidence in the Early Postpartum Period. Journal of Obstetric, Gynecologic & Neonatal Nursing.


19. Maciel IVL, Almeida CS, Braga PP. 2014. O aleitamento no contexto da prematuridade: o discurso materno. Rev enferm UFPE, Recife, 8(5):1178-84.

20. Guerreiro EM et al. 2014. Educação em saúde no ciclo gravídico-puerperal: sentidos atribuídos por puérperas. Rev. bras. enferm., Brasília: 67(1); 13-21.
Published
2017-02-22
How to Cite
RIBEIRO FEITOSA, Marielle et al. Primary Health Care Follow-Up Visits: Investigation Of Care Continuity Of Preterm Newborns From A Kangaroo-Mother Care Unit. International Archives of Medicine, [S.l.], v. 10, feb. 2017. ISSN 1755-7682. Available at: <http://imedicalsociety.org/ojs/index.php/iam/article/view/2356>. Date accessed: 17 nov. 2017. doi: https://doi.org/10.3823/2302.
Section
Nursing

Most read articles by the same author(s)