Aspects That Hinder Integration Of Men In Reproductive Planning: An Integrative Review

  • Maria Joanna Darc de Melo França
  • Clarissa Mourão Pinho
  • Brígida Maria Gonçalves de Melo Brandão
  • Maria Sandra Andrade
  • Aurélio Molina da Costa
  • Fátima Maria da Silva Abrão
  • Clara Maria Silvestre Monteiro de Freita

Abstract

This study aimed to identify the aspects that hinder the integration of man in reproductive planning. An integrative review of the literature was made in May 2016 in the LILACS and BDENF databases using the descriptors "nursing", "family planning" and "ethics", considering the period from 2005 to 2015, resulting in 6 articles. According to data, the year 2014 had 3 publications, the Portuguese language was predominant in 5 articles and all the studies have level of evidence IV. After reading the articles in full, three aspects were identified that hinder men's participation in reproductive planning: gender social construction, inadequate health services and lack of qualification and/or professional commitment. It is concluded that new research is necessary to increase the scientific evidence and to consolidate references for the performance of professionals and for the existing public policies regarding the participation of men in reproductive planning.

References

1. Costa A, Rosado L, Florêncio A, Xavier E. História do planejamento familiar e sua relação com os métodos contraceptivos. Rev. baiana saúde pública. 2013; 37(1):74-86.

2. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde sexual e saúde reprodutiva / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 1. ed., 1. reimpr. – Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

3. Brasil. Lei n° 9263, de 12 de janeiro de 1996. Planejamento Familiar. Diário Oficial da União, Poder Executivo. Brasília, 1996.

4. Sauthier M, Gomes MLB. Gênero e planejamento familiar: uma abordagem ética sobre o compromisso profissional para a integração do homem. Rev. bras. enferm. 2011; 64(3):457-64.

5. Schwarz E, Gomes R, Couto MT, Moura EC, Carvalho SA, Silva SFC. Política de saúde do homem. Rev. saúde pública. 2012; 46(Supl):108-16.

6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde do homem.Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

7. Morais ACB, Ferreira AG, Almeida KL, Quirino GS. Participação masculina no planejamento familiar e seus fatores intervenientes. Rev. enferm. UFSM. 2014;4(3):498-508.

8. Coelho EBS. Enfermagem e o planejamento familiar: as interfaces da contracepção. Rev. bras. enferm. 2005; 58(6):665-72.

9. Ganong LH. Integrative reviews of nursing research. Res. Nurs. Health. 1987; 10(1):1-11.

10. Ursi ES, Gavão CM. Prevenção de Lesões de Pele no Perioperatório: revisão integrativa da literatura. Rev. Latino-Am. Enferm. 2006; 14(1):124-31.

11. Stetler CB, Morsi D, Rucki S, Broughton S, Corrigan B, Fitzgerald J, et al. Utilization-focused integrative reviews in a nursing service. Appl. Nurs. Res. 1998;11(4):195-206.

12. Casarin ST, Siqueira HCH. Planejamento familiar e a saúde do homem na visão das enfermeiras. Esc. Anna Nery Rev. Enferm. 2014; 18(4):662-68

13. Silva GS, Landerdahl MC, Langendorf TF, Padoin SMM, Vieira LBet al. Partner's participation in family planning from a feminine perspective: a descriptive study. Online braz. j. nurs. 2013; 12(4): 882-91.

14. Bezerra MS, Rodrigues DP. Representações sociais de homens sobre o planejamento familiar. Rev. RENE. 2010; 11(4):127-34.

15. Priori CA. Construção social da identidade de gênero e as mulheres na prisão. Rev. NUPEM, 2011; 3(4): 191-99.

16. Dutra A, Pereira, AL. Male participation in educational groups of contraception: the look of nursing. R. pesq.: cuid. fundam. online. 2009; 1(2): 360-71.

17. Ribeiro PJ, Reis RA, Barros KHS, Campinas LLSL. Planejamento familiar: importância do conhecimento das características da clientela para implementação de ações de saúde. O mundo da saúde. 2008; 32(4):412-19.

18. Silva RM, Araújo KNC, Bastos LAC, Moura ERF. Planejamento familiar: significado para mulheres em idade reprodutiva. Ciênc. saúde coletiva. 2011; 16(5):2415-424.

19. Soares MCS, Souza VCD, Costa PFA, Paiva RMOAS, Guerra JCA et al. Conhecimento masculino sobre métodos contraceptivos. Rev. bras. promoç. saúde. 2014; 27(2): 232-38.

20. Gomes R, Nascimento EF, Araújo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad. saúde pública. 2007; 23(3): 565-74.

21. Figueiredo W. Assistência à saúde dos homens: um desafio para os serviços de atenção primária. Ciênc. saúde coletiva. 2005; 10(1):105-9.

22. Fernandes HN, Thofehrn MB, Porto AR et al. Relacionamento interpessoal no trabalho da equipe multiprofissional de uma unidade de saúde da família. R. pesq.: cuid. fundam. online. 2015; 7(1):1915-926.

23. Santos JC, Freitas PM. Planejamento familiar na perspectiva do desenvolvimento. Ciênc. Saúde Coletiva. 2011; 16(3):1813-820.
Published
2017-03-06
How to Cite
DARC DE MELO FRANÇA, Maria Joanna et al. Aspects That Hinder Integration Of Men In Reproductive Planning: An Integrative Review. International Archives of Medicine, [S.l.], v. 10, mar. 2017. ISSN 1755-7682. Available at: <http://imedicalsociety.org/ojs/index.php/iam/article/view/2387>. Date accessed: 23 aug. 2017. doi: https://doi.org/10.3823/2345.
Section
Primary Care

Most read articles by the same author(s)