Profile Of Hypertensive Patients Registered In A Basic Health Unit

  • Danielle Araújo Dantas
  • Leonardo Gama Caetano
  • Renata de Lima Pessoa
  • Tatiana Maria Nóbrega Elias
  • Anne Karoline Candido Araújo
  • Bárbara Coeli Oliveira da Silva
  • Belarmino Santos de Sousa Júnior
  • Fernando Hiago da Silva Duarte

Abstract

Objective: To identify the socio-demographic profile of hypertensive patients registered in HIPERDIA in a Basic Health Unit in the city of Parnamirim-RN and to analyze their perception about this system.


Methodology: This is a cross-sectional, descriptive study with a quantitative approach, applying a questionnaire with objective questions to 100 volunteer patients who fit the established inclusion criteria. Data were collected in February and March 2016.


Results: It was found a predominance of women, aged 40 to 49 years old, white and black, with incomplete high school, living with a partner and children. Most individuals reported excellent access to diagnosis of the disease, good understanding of the Hypertension and adherence to treatment. They considered the delivery of drugs by UBS as well as nursing care received as good. They reported rarely participating in health education activities and realized a great change in the quality of life with the completion of treatment.


Conclusions: It is concluded that the HIPERDIA need some improvements by both managers as by health professionals so that it could better assist the demands of patients.


 


DOI: http://dx.doi.org/10.3823/2330

References

1- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Tábua completa de mortalidade para o Brasil – 2014: Breve análise da evolução da mortalidade no Brasil [acesso em 24 nov 2015]. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Tabuas_Completas_de_Mortalidade/Tabuas_Completas_de_Mortalidade_2014/notastecnicas.pdf.
2- Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensão, Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial. Arq Bras Cardiol- 2010 [acesso em 24 nov 2015] Disponível em: http://publicacoes.cardiol.br/consenso/2010/Diretriz_hipertensao_associados.pdf.
3- Carvalho MM, Silva PCGS, Mendes LW. Concepções dos hipertensos sobre os fatores de risco para a doença. Ciênc. Saúde Coletiva  [Internet]. 2012 [acesso em 16 dez 2015];  17(5): 1357-1363. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232012000500030&lngen.  http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012000500030.
4- Brasil. Ministério da Saúde, Sistema de Informações Hospitalares do Sistema Único de Saúde (SIH-SUS).
5- Silva LOL, Dias CA, Rodrigues SM, Soares MM, Oliveira MA, Machado CJ. Hipertensão Arterial Sistêmica: Representações Sociais de idosos sobre a doença e seu tratamento. Cad. Saúde Coletiva [Internet]. 2013 [acesso em 16 dez 2015]; 21(2): 121-8. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cadsc/v21n2/04.pdf
6- Brasil. Ministério da Saúde. Plano de Reorganização da Atenção à Hipertensão Arterial Sistêmica e ao Diabetes Mellitos. [Internet]. 2002. [acesso em 25 nov 2015] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/miolo2002.pdf
7- Vieira, S. Introdução à Bioestatística. 4ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008. p.345.
8. Zattar LC, Boing AF, Giehl MWC, D'Orsi E. Prevalência e fatores associados à pressão arterial elevada, seu conhecimento e tratamento em idosos no sul do Brasil. Cad. Saúde Pública [Internet]. 2013 [acesso em 16 dez 2015]; 29(3):507-521. Disponível em: http://www.scielosp.org/pdf/csp/v29n3/a09v29n3.pdf.
9. Bianchini SM, Galvão CM, Arcuri EAM. Nursing care to patients with stroke: an integrative review. Online braz j nurs [Internet]. 2010 [acesso em 2 jan 2015]; 9 (2) Disponível em: http://www.objnursing.uff.br/index.php/nursing/article/view/3112.
10. Rodrigues ESR, Castro KAB, Rezende AAB, Herrera SDSC, Pereira AM, Takada JAP Fatores de risco cardiovascular em pacientes com acidente vascular cerebral. Revista Amazônia [Internet]. 2013 [acesso em 2 jan 2015];1(2):21-28. Disponível em: http://ojs.unirg.edu.br/index.php/2/article/view/472.
11- Brandão AA, Magalhães MEC, Ávila A, Tavares A, Machado CA, Campana EMG et al. Conceituação, epidemiologia e prevenção primária. J. Bras. Nefrol.  [Internet]. 2010  [acesso em 3 jan 2015]:1-4. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-28002010000500003&lng=en. 
12- Abreu, W. A; Portela, N. L. C. Fatores associados à não adesão ao tratamento medicamentoso da Hipertensão Arterial Sistêmica. R. Interd. [Internet] 2015 [acesso em 3 jan 2015]; 8(3): 50-60. Disponível em: http://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/viewFile/726/pdf_236
13. Dias, L. C. Abordagem familiar. In: GUSSO, G.; LOPES, J. M. C. Tratado de medicina de família e comunidade: princípios, formação e prática. Porto Alegre: Artmed, 2012. p. 45-67.
14-Alves, B.A; Calixto, A.A.T.F. Aspectos determinantes da adesão ao tratamento da hipertensão e diabetes em uma Unidade Básica de Saúde do interior paulista. Journal of the Health Sciences Institute. [Internet] 2012 [acesso em 7 jan 2015]; 30(3):255-260, Disponível em: jul-set/V30_n3_2012_p255a260.pdf>.
15. Schmidt, MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, Chor D, Menezes PR. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. The Lancet. London [Internet]. 2011 [acesso em 16 dez 2015]: 61-74. Disponível em:http://dms.ufpel.edu.br/ares/bitstream/handle/123456789/222/1%20%202011%20Doen%C3%A7as%20cr%C3%B4nicas%20n%C3%A3o%20transmiss%C3%ADveis%20no%20Brasil.pdf?sequence=1.
16. Souza, IF. Prevalência de Portadores de Diabetes Mellitus e Hipertensão Arterial Sistêmica numa Estratégia Saúde da Família em Itumbiara- GO. Revista de Biotecnologia & Ciência da UEG. [Internet]. 2013 [acesso em 16 dez 2015]; 1(2) Disponível em: http://www.revista.ueg.br/index.php/biociencia/article/view/1857/1062. 17. Brasil. Ministério da Saúde. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: Diabetes Mellitus. Cadernos de Atenção Básica, n. 36. Brasília, 2013. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/cadern
o_36.pdf.
18. Sousa, J. C. L; Lopes, L. S. Adesão dos pacientes ao tratamento da hipertensão arterial sistêmica. R. Interd. [Internet]. 2014 [acesso em 10 dez 2015]; 7(4): 22-29 Disponível em: http://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/535/pdf155
19. Brasil. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais: RENAME 2014. 9. Ed. Brasília, 2015. Disponível em: http://www.saude.pr.gov.br/arquivos/File/0DAF/RENAME2014Ed2015.pdf. Acesso em: 23 mar. 2016.
20. Moura DJM, Freitas MC, Guedes MVC, Lopes MVO, Menezes LCG, Barros AA. Sistematização da assistência de enfermagem fundamentada na CIPE® e na teoria da adaptação em hipertensos. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2014 [acesso em 10 dez 2015];16(4):710-9. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v16i4.22945.
21. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: Hipertensão Arterial Sistêmica. Cadernos de Atenção Básica, n. 37. Brasília, 2013. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_37.pdf. Acesso em: 8 abr. 2016.
22. Organização Panamericana de Saúde. Doenças crônico-degenerativas e obesidade: estratégia mundial sobre alimentação saudável, atividade física e saúde. Brasília, 2003. Disponível em: http://www.opas.org.br/wp-content/uploads/2015/09/d_cronic.pdf. Acesso em: 14 mar. 2016.
Published
2017-03-13
How to Cite
ARAÚJO DANTAS, Danielle et al. Profile Of Hypertensive Patients Registered In A Basic Health Unit. International Archives of Medicine, [S.l.], v. 10, mar. 2017. ISSN 1755-7682. Available at: <http://imedicalsociety.org/ojs/index.php/iam/article/view/2399>. Date accessed: 20 nov. 2017.
Section
Cardiology