Clinical Epidemiological Profile of Children with Acute Respiratory Insuficiency in a Pediatric Intensive Care Unit

  • Sandra Beatriz Pedra Branca Dourado FACULDADE ESTÁCIO CEUT
  • Paulo Vicente Dourado Aluno da Graduação de enfermagem da Faculdade Estácio de Teresina.
  • Marylane Viana Veloso
  • Geandra Batista Lima Nunes
  • Hélida Lessa De Aragão Cardoso
  • Andreia Karla De Carvalho Barbosa Cavalcante
  • Verbenia Cipriano Feitosa
  • Milena France Alves Cavalcante
  • Danieli Maria Matias Coêlho
  • José Francisco Ribeiro
  • Elizabeth Soares Oliveira De Holanda Monteiro
  • Diego Cipriano Chagas

Abstract

Objective: to know the epidemiological clinical profile of children admitted for acute respiratory failure (ARF) in the Pediatric Intensive Care Unit (ICU) of the Teresina Emergency Hospital (TEH), from 2010 to 2015.


Method: a quantitative approach, with a sample of 451 medical records obtained in the electronic system of hospitalization of the patients who were admitted to the Pediatric ICU of the Hospital. After approval by the Ethics Committee of Estácio Ceut Faculty, the study was started.


Results: Of the 721 hospitalizations due to ARF in children, 451 (62.6%) required clinical interventions in the ICU. Of these, 59.4% were male, in the age range of one to six years (61.9%), with a diagnosis in the ICD 10 by J96.0. In 99.7% of the cases, hospitalized for a period of more than ten days (72.4%), originating in the interior of Piauí (63.4%), whose discharge occurred by administrative closure (75.6%), followed by deaths, which were 19,3%.


Conclusion: Acute Respiratory Insufficiency is a serious problem of global, national and local public health, because it is a morbidity that requires advanced technology for health treatment, with relative mortality. It is reasonable for therapeutic measures to prevent respiratory diseases to be systematically stimulated and implemented by health services to prevent them.


KEYWORDS: Infant Mortality; Respiratory Insufficiency; Epidemiology.

Author Biographies

Sandra Beatriz Pedra Branca Dourado, FACULDADE ESTÁCIO CEUT

ENFERMAGEM

Marylane Viana Veloso

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal Do Piauí UFPI

Docente da Graduação em Enfermagem da Faculdade Estácio de Teresina, e do Instituto Camilo Filho ICF.

Doutoranda em Saúde Coletiva – UNICAMP

Geandra Batista Lima Nunes

Doutora em Biotecnologia;

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal Do Piauí UFPI

Docente da Graduação em Enfermagem da Faculdade Estácio de Teresina.

Hélida Lessa De Aragão Cardoso

Mestre em Terapia intensiva e Especialista em Terapia intensiva

Docente da Graduação em Enfermagem da Faculdade Estácio de Teresina.

Andreia Karla De Carvalho Barbosa Cavalcante

Mestranda em Enfermagem pela Universidade Federal Do Piauí UFPI

Docente da Graduação em Enfermagem da Faculdade Estácio de Teresina.

Verbenia Cipriano Feitosa

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal Do Piauí UFPI

Docente da Graduação em Enfermagem da Faculdade Estácio de Teresina.

Milena France Alves Cavalcante

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal Do Piauí UFPI

Especialista em Saúde Pública e Atenção psicossocial;

Docente da Graduação em Enfermagem da Faculdade Estácio de Teresina.

Danieli Maria Matias Coêlho

Docente da Graduação em Enfermagem da Faculdade Estácio de Teresina.

Mestre em Ciências e Saúde pela Universidade Federal do Piauí- UFPI

José Francisco Ribeiro

Mestre em Ciências e Saúde pela Universidade Federal do Piauí- UFPI

Docente da Graduação em Enfermagem da Faculdade Estácio de Teresina.

Elizabeth Soares Oliveira De Holanda Monteiro

Doutoranda em Enfermagem pela Universidade Federal do Piauí- UFPI

Mestre em Ciências e Saúde pela Universidade Federal do Piauí- UFPI

Docente da Graduação em Enfermagem da Faculdade Estácio de Teresina.

Diego Cipriano Chagas

Especialista em Docência do Ensino Superior e em Unidade de Terapia Intensiva.

Docente da Graduação em Enfermagem da Faculdade Estácio de Teresina.

References

1. César ACG, Nascimento LFC, Mantovani KCC, Vieira LCP. Material particulado fino estimado por modelo matemático e internações por pneumonia e asma em crianças. Rev paul pediatr (Online) [Internet]. 2016 Mar [cited 2016 Dec 28];34(1):18-23. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rpp/v34n1/pt_0103-0582-rpp-34-01-0018.pdf

2. Ministério da Saúde (BR), Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução Nº 7, de 24 de fevereiro de 2010. Dispõe sobre os requisitos mínimos para funcionamento de Unidades de Terapia Intensiva e dá outras providências [Internet]. Brasília: Anvisa; 2010 [cited 2016 Dec 26]. Available from: http://www.sbnpe.com.br/wp-content/uploads/2016/07/resolucao-rdc-n-7-de-24-de-fevereiro-de-2010.pdf

3. Viana RAPP, Whitaker IY. Enfermagem em Terapia Intensiva: práticas e vivências. São Paulo: Atheneu; 2011.

4. Oliveira AR, Taniguchi LU, Park M, Scalabrini Neto A, Velasco IT. Manual da residência de Medicina Intensiva. 2nd ed. São Paulo: Manole; 2011.

5. Prato MIC, Silveira A, Neves ET, Buboltz FL. Doenças respiratórias na infância: uma revisão integrativa. Rev Soc Bras Enferm Ped [Internet]. 2014 July [cited 2016 Dec 15];14(1):33-9. Available from: http://sobep.org.br/revista/images/stories/pdf-revista/vol14-n1/v14_n1_artigo_revisao_1.pdf

6. Arbex MA, Santos UP, Martins LC, Saldiva PHN, Pereira LAA, Braga ALF. A poluição do ar e o sistema respiratório. J Bras Pneumol [Internet]. 2012 Sept/Oct [cited 2016 Dec 27]; 38(5):643-55. Available from: http://www.scielo.br/pdf/jbpneu/v38n5/v38n5a15.pdf

7. Kaurk SF, Manhaes SC, Medeiros CH. Metodologia da pesquisa: guia prático. Itabuna: Via Litterarum; 2011.

8. Soares MESM, Oliveira JBS. Perfil Epidemiológico da Insuficiência Respiratória Aguda em Crianças internadas na Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital Público da Paraíba. Inter Scientia [Internet]. 2013 Sept/Oct [cited 2016 Dec 23];1(3):115-26. Available from: https://periodicos.unipe.br/index.php/interscientia/article/download/230/230

9. Filgueiras N. Indicações de ventilação mecânica invasiva com pressão positiva. São Paulo: Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica; 2006.

10. Moreira MF, Silveira SC, Bassini SRF. Principais causas da Insuficiência respiratória aguda em unidade de terapia intensiva de um hospital público da Zona Leste de São Paulo. Arq Med ABC [Internet]. 2007 [cited 2016 Dec 13];32(Suppl 2):S8-12. Available from: https://www.portalnepas.org.br/amabc/article/view/206/202

11. Iwane MK, Edwards KM, Szilagyi PG, Walker FJ, Griffin MR, Weinberg GA, et al. Population-based surveillance for hospitalizations associated with respiratory syncytial virus, and for influenza viruses among young children. Pediatrics. 2004 May;113(6):1758-64.

12. Oliveira BRG, Viera CS, Furtado MCC, Mello DF, Lima RAG. Perfil de morbidade de crianças hospitalizadas em um hospital público: implicações para a Enfermagem. Rev bras enferm [Internet]. 2012 Aug [cited 2016 Dec 28]; 65(4):586-93. Available from: http://www.scielo.br/pdf/reben/v65n4/a06v65n4.pdf

13. Soares MESM, Oliveira JBS. Perfil Epidemiológico da Insuficiência Respiratória Aguda em Crianças internadas na Unidade de Terapia Intensiva de um Hospital Público da Paraíba. Inter Scientia [Internet]. 2013 Sept/Oct [cited 2016 Dec 23];1(3):115-26. Available from: https://periodicos.unipe.br/index.php/interscientia/article/download/230/230

14. Barreto ICHC, Grisi SJFE. Morbidade referida e seus condicionantes em crianças de 5 a 9 anos em Sobral, CE, Brasil. Rev bras epidemiol [Internet]. 2010 Mar [cited 2016 Dec 28]; 13(1): 35-48. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rbepid/v13n1/04.pdf

15. David BF, Crystal MA, Morales DL, Gerald K, Hanna BD, Mallory Jr GB, et al. Trends in pediatric pulmonary hypertension–related hospitalizations in the United States from 2000–2009. Pulm Circ [Internet]. 2015 Apr [cited 2016 Dec 26];5(2):339-48. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4449246/pdf/PulmCirc-005-339.pdf

16. Pinto KDBPC, Maggi RRS, Alves JGB Análise de risco socioambiental para comprometimento pleural na pneumonia grave em crianças menores de 5 anos. Rev Panam Salud Publica [Internet]. 2004 Feb [cited 2017 Jan 04];15(2):104-9. Available from: http://www.scielosp.org/pdf/rpsp/v15n2/20819.pdf

17. Benguigui Y. As infecções respiratórias agudas na infância como problema de saúde pública. BolPneumol Sanit [Internet]. 2002 June [cited 2016 Dec 28];10(1):13-22. Available from: http://scielo.iec.pa.gov.br/pdf/bps/v10n1/v10n1a03.pdf

18. Paranhos VD, Pina JC, Mello DF. Atenção integrada às doenças prevalentes na infância e o enfoque nos cuidadores: revisão integrativa da literatura. Rev latinoam enferm [Internet]. 2011 Jan/Feb [cited 2016 Dec 28];19(1):203-11. Available from: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v19n1/pt_27.pdf

19. Lanetzki CS, Oliveira CAC, Bass LM, Abramovici S, Troster EJ. O perfil epidemiológico do Centro de Terapia Intensiva Pediátrico do Hospital Israelita Albert Einstein. Einstein (São Paulo) [Internet]. 2012 Mar [cited 2016 Dec 15];10(1):16-21. Available from: http://www.scielo.br/pdf/eins/v10n1/pt_v10n1a05.pdf

20. Namachivayam P, Shann F, Shekerdemian L, Taylor A, Van Sloten I, Delzoppo C, et al. Tree decades of pediatric intensive care: who was admitted, what happened in intensive care, and what happened afterward. Pediatr Crit Care Med [Internet]. 2010 Sept [cited 2016 Dec 28];11(5):549-55. Available from: http://pedsccm.org/FILE-CABINET/pccm/Namachivayam-3decades.pdf

21. Linhares DG, Siqueira JE, Previdelli ITS. Limitação do suporte de vida em unidade de terapia intensiva pediátrica. Rev bioét (Impr) [Internet]. 2013 Aug [cited 2016 Dec 27];21(2):291-7. Available from: http://www.scielo.br/pdf/bioet/v21n2/a12v21n2.pdf
Published
2017-04-05
How to Cite
DOURADO, Sandra Beatriz Pedra Branca et al. Clinical Epidemiological Profile of Children with Acute Respiratory Insuficiency in a Pediatric Intensive Care Unit. International Archives of Medicine, [S.l.], v. 10, apr. 2017. ISSN 1755-7682. Available at: <http://imedicalsociety.org/ojs/index.php/iam/article/view/2480>. Date accessed: 25 sep. 2017. doi: https://doi.org/10.3823/2325.
Section
Pediatrics